Homenagem ao Professor Fernando Portinho

Ele Saiu de Cachoeiro do Itapemirim em 1959 para o Rio de Janeiro e Foi para “voltar e Não Voltou”

Postado em 22/11/2021


Professor Fernando Portinho, amigo, irmão, parte para a eternidade e ficamos com as suas lembranças, seus gestos de paz e alegria e nossas participações na vida como otorrinolaringologistas também, galgando as conquistas da vida, da otorrinolaringologia e revendo um caminho de alegrias, de vitórias puras e de orgulho santo. Diz-se que não há pessoas insubstituíveis e eu diria não há mesmo, ninguém substitui um outro, somos sempre um ser único e o nosso espaço de vida é um só, é de cada um e quando partimos esse espaço só é preenchido pela memória do que foi a nossa vida, e não será esquecida, pelo menos para os que convivemos nesta caminhada.

Ele saiu de Cachoeiro do Itapemirim em 1959 para o Rio de Janeiro e foi para “voltar e não voltou” e para que a memória não se apagasse, em 2015 foi o Cachoeirense ausente número 1, homenagem tradicional de seu “Pequeno Cachoeiro”. No dia 18 de novembro de 2021 ele parte sozinho mas partiu com seu semblante de paz, de tranquilidade e de alegria que sempre foi seu modo de vida.  Mas ele voltou sim, suas cinzas correrão agora nas correntes do Itapemirim deixando sua mensagem alegre do retorno. Nas corredeiras do Itapemirim você se alegra com os voos “das lembranças que não voltam mais e nas sombras dos flamboaiãs” você curte todas elas e assim a mágoa de não voltar mais, desaparece e aí é o retorno da infância, da adolescência e do início de vida em um novo começar.

Passou na antiga Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro e na sua vida de vitórias chegou a Professor Titular de Otorrinolaringologia da então Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e quando se aposenta recebe a honra de ter o título de Professor Emérito. Sua vida acadêmica foi ímpar e única e não é mesmo substituível, seu espaço está lá nas memorias de todos nós. Foi um professor sem igual e deixou o legado para os alunos que ficaram. Criou a Residência Médica no Hospital Gafréd Guinle, participou ativamente na Sociedade se Otorrinolaringologia do Rio de Janeiro e na Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial em suas diretorias executivas. E na Fundação Otorrinolaringologia sempre foi um destaque em suas participações sendo participante ativo em todos os seus congressos. Tive a honra e o prazer de ter sido seu R1 na Clínica Prof. José Kós, onde nos iniciamos na Otorrinolaringologia e depois na docência, colegas de Mestrado e Doutorado e o grande prazer de tornarmos Professores Titulares, ele no Rio de Janeiro e eu em Vitoria – ES. Um caminho longo de aprendizado e vitórias.

Somos do mesmo estado no Brasil, Espírito Santo, mas nos conhecemos no Rio de Janeiro e o Rio Itapemirim onde repousa suas cinzas é a composição do Rio Castelo seu maior afluente, e onde as aguas também se encontram, tendo um mesmo caminho coincidentemente.

 

Sergio Ramos

Prof ORL da Universidade Federal do Espirito Santo.