PERFIL MÊS: MÔNICA GARCIA LIRA

Nascida em Santo André, São Paulo em 17 de setembro de 1982, Mônica Garcia de Lira é a filha mais velha de Cícero Lira e Célia Lira.


03/11/2014

"Foi amor à primeira vista! Descobri que era o que eu queria fazer e já procurei me especializar na área. Para tanto, fiz pós-graduação aos 25 anos em Comunicação e Marketing. Corri atrás do meu sonho e essa foi uma lição que aprendi em casa com meus pais - nossos objetivos e sonhos devem estar em primeiro lugar porque ninguém faz isso por nós", diz ela.
Hoje, Mônica Garcia de Lira é a coordenadora de eventos e captadora de recursos da Fundação Otorrinolaringologia. "Sou apaixonada pelo que faço. Cada dia pode trazer um novo aprendizado, principalmente no relacionamento interpessoal. Fazer os Congressos da Fundação Otorrinolaringologia sempre em cidades diferentes aumenta, a cada ano que passa, o meu poder de negociação e assim, espero, trazer o que há de melhor para a Fundação Otorrinolaringologia e nossos eventos", continua.

Trabalho acirrado
A Mônica começa a trabalhar no próximo Congresso, assim que a comissão organizadora decide qual o lugar em que será realizado. Faz parte de suas atividades, contatar as empresas locais para criar toda a infraestrutura do evento, levantar custos, visitar os espaços disponíveis para ter certeza que comportam o congresso e isso é só o início. "Nosso Congresso vem crescendo a cada ano. Encontrar espaços é um bom 'problema' para ser resolvido a cada edição. Realizo, também, reuniões com as empresas e iniciamos as negociações dos investimentos que serão feitos na Fundação Otorrinolaringologia procurando sempre atender, da melhor forma possível, os interesses da FO e a demanda de nossos parceiros", diz ela.
Casada há quase 2 anos com Rodrigo Castro, acabou de ser mamãe. E sente-se muito feliz com a experiência. "Meu marido é meu parceiro, não dependemos um do outro, estamos juntos porque nos faz bem. E o nosso filho, Leonardo, é lindo! Ser mãe era o que me faltava para eu me tornar uma pessoa melhor e mais feliz. E isso, com certeza, influenciará positivamente o meu trabalho, pois, mais do que nunca, quero ser um exemplo para meu filho", comenta Mônica.
A maternidade lhe fez tão bem que, agora, desistiu de ir ao cinema e ler, seus hobbies preferidos, para se dedicar ao pequenino. "Ele passa o dia todo na escolinha. Já que não é possível passar o tempo que eu gostaria com ele, então que tenha qualidade o tempo que estamos juntos", diz a coordenadora de eventos.
E, mesmo com o Leonardo, a vontade de crescer na Fundação permanece. "Quando comecei na Fundação, a sede era em outro prédio, tínhamos uma sala pequena, havia poucos funcionários, mas já via grande possibilidade de crescimento. E eu não estava errada. Hoje, a realidade é bem diferente. Nossos congressos vêm crescendo a cada ano e os cursos da FO trazem sempre novidades para seus alunos. Aprendi muito com toda a comissão e as parcerias que fazemos mostram que o ano seguinte será ainda melhor. Nossa equipe é muito coesa e não dá para imaginar o Departamento de Eventos da FO sem a Thaís Felippe, a Raquel Nahool, a Karin Esquina e Roberta Turri, além de todos os demais funcionários da Fundação. Quero acompanhar o crescimento da Fundação Otorrinolaringologia por muitos anos e trazer novos projetos para nossos cursos, congressos e demais eventos sociais", finaliza Mônica.