PERFIL MÊS: PROF. DR. MARCOS MOCELLIN

Prof. Dr. Marcos Mocellin, professor titular e chefe de serviço do Serviço de Otorrinolaringologia da Universidade Federal do Paraná


26/03/2013

Prof. Dr. Marcos Mocellin, professor titular e chefe de serviço do Serviço de Otorrinolaringologia da Universidade Federal do Paraná, pertencente a uma família de cinco pessoas -pai, mãe e ês filhos -- ,desde muito jovem pensava em ser médico. "Nos anos escolares, não me via em outra profissão. A influência, com certeza, aconteceu do meu pai, Prof. Dr. Leônidas Mocellin, otorrinolaringologista e professor catedrático da UFPR", diz ele. E o ingresso na Universidade Federal do Paraná demonstrou que o seu objetivo estava prestes a ser alcançado.
No terceiro ano da faculdade, Dr. Morcellin sentiu que a influência familiar levou-o a se interessar mais pela otorrinolaringologia. "Tinha interesse, especialmente, em Rinologia. Interessava-me muito os estudos relacionados com o nariz", continua ele.
A residência foi feita no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná e o estágio - fellow - aconteceu no Jackson Memorial Hospital de Miami, EUA. "Foi uma época de excelente aprendizado, não só na área otorrinolaringológica como a estrutura hospitalar americana conde a capacidade e organização são fatores indispensáveis.
O mestrado em Rinoescoliose, aconteceu em 1983 e o doutorado - Deformidade Facila em Respirador Bucal, aconteceu em 1986, na Escola Paulista de Medicina.
Em 1990, Dr. Mocellin passou a fazer parte do grupo de professores da Universidade Federal do Paraná com professor adjunto e tornou-se professor titular e chefe do serviço de Otorrinolaringologia em 1992. "É um trabalho que exige muito. Hoje, trabalho 12 horas por dia, cinco dias por semana entre universidade e consultório e tenho muito prazer em ensinar e em atender. É um trabalho que sempre apresenta novos desafios e questionamentos diferentes dos alunos", diz ele.
Para o Prof. Dr. Mocellin, houve algumas mudanças desfavoráveis no cenário da universidade de quando iniciou para cá. "A falta de hierarquia na universidade e o pouco respeito da população em relação ao médico são situações que não existiam. Mas, se isso preocupa, no lado das pesquisas médicas estamos em um patamar muito positivo que vai propiciar a cura de muitas doenças. As pesquisas com células tronco vão modificar os tratamentos que temos hoje em dia para melhor", diz ele.

Apoio familiar

Mesmo trabalhando 12 horas por dia, Prof. Mocellin é muito presente na vida familiar. "Na vida do médico, é fundamental o apoio e a compreensão familiar. Sempre estamos juntos porque sem o apoio da família, o médico não tem condições de fazer seu trabalho com tranquilidade", diz ele. E, para isso, participa de reuniões com amigos e tem como hobby as corridas de rua e o hipismo - foi campeão brasileiro e fez parte da equipe brasileira de hipismo. "São horas de descanso em que repomos as energias para que os horários reservados à vida profissional renda bem", diz ele.
Responsável pela representação da Fundação Otorrinolaringologia no Paraná, Prof. Marcos vê essa atividade como mais uma via de ensino ao jovem médico. "A FO cria condições de aprimoramento da otorrinolaringologia e representa-la é acompanhar a evolução da especialidade no Brasil e levar a todos os profissionais de saúde paranaenses tudo o que podem aprender e utilizar em seu futuro profissional. Um dos curadores da Fundação, o Prof. Dr. Ricardo Ferreira Bento, tem uma visão modernista sobre a otorrinolaringologia e tem trabalhado para o desenvolvimento e reconhecimento de toda a ORL brasileira, incluindo a realizada no nosso estado", finaliza o médico.